Do Luto E das coisa efêmeras da vida

Faltam 26 dias

 

Congela o tempo pr’eu ficar devagarinho

Com as coisas que eu gosto

E que eu sei que são efêmeras

E que passam perecíveis

Que acabam, se despedem,

Mas eu nunca me esqueço.

 

Vou ficar mais um pouquinho

Para ver se eu aprendo alguma coisa

nessa parte do caminho.

 

Efêmera

(Gustavo Ruiz e Tulipa Ruiz)

Todo mundo já passou por um luto. Eu passei por vários. O dia de hoje marca um dos mais fortes na minha vida. Um tio querido, que me ensinou a amar o carnaval, a me fantasiar pra festa, a ter alegria em fevereiro, deixou a gente de forma brusca, inesperada e tão traumática.

A gente aprende desde cedo que o tempo não é infinito. Das lições de amadurecer essa é a mais forte. E quem nunca viveu uma perda na vida? Que atire o primeiro abraço!

Perder é atividade diária. É o cotidiano. É a vida.

A gente perde quando escolhe um rumo. Quando deixa de lado alguma coisa. Ou desfaz do peso de tanta coisa.

Difícil é se despedir de alguém em vida. De projetos tão esperados. De relações que nem aconteceram. O pior luto, para mim, é de pessoas que ainda nem pousaram. E esses estão cada vez mais frequentes.

Em época de amores líquidos, de relações ­pinga-pinga, morre-se a cada laço que mal começa.

E não são só as afetivas. E amorosas.

Há tantas amizades que desfazem por pouco, há tantas pessoas que deixam de viver uma amizade desde a infância por uma simples mudança. Seja de cidade, de estado civil ou por tantos pormenores que me exaurem até de pensar. Já perdi as contas de quantas pessoas deixei pra trás, quantas amizades coloquei no armário.

Há amigos que nunca partem. Que nunca voam tão longe. Só vão dar uma pausa na vida.

E há aqueles que fecham a porta, mas não rompem o afeto.

É um tanto confuso pra explicar, mas acredito que é possível entender bem.

As relações afetivas são um caso à parte. E não há roda de bate-papo, literatura ou qualquer conversa mais sincera em que não se chega ao mesmo ponto: as pessoas não se ligam mais. Ligar, de conexão. De se permitir ver o outro com os seus olhos e conhecer a realidade de quem está ali diante de você. Parece que as pessoas se blindam. E quem tem coração aberto, alma leve coragem de ter fé na vida fica sempre num labirinto sem fim, que acaba logo à primeira entrada à esquerda.

Já cansei de quantas pessoas coloquei na caixa do esquecimento. De tantas relações e contatos que dei por encerrado sem nem saber o que eram.

Tudo é um tanto transitório. E rápido demais, que nem dá tempo de pensar onde vamos chegar. Só encaixotar a memória, etiquetar e deixar em algum lugar bem escondido da alma.

Na minha inocência de menina acreditava que a cada dia a gente ganhava. E não sei onde, quando e nem com quem, a vida começou a ser um arranjo de perdas, uma cadeia de adeus a quem sequer se permitiu entrar aqui.

Eu só sei que ando me despedindo demais de sensações, sentimentos, situações e caminhos que sequer foram traçados. E a cada vela que apaga nesse tempo, é algo que deixa de ser. Que voa para o esquecimento.

Anúncios
Do Luto E das coisa efêmeras da vida

2 comentários sobre “Do Luto E das coisa efêmeras da vida

  1. Maria Lia disse:

    Que intenso… mexeu demais comigo!
    Mas também me fez pensar em tantas outras amizades, amores que ganhamos. Até na desilusão a gente ganha experiência e um ombro pra compartilhar!;)

    Curtido por 1 pessoa

    1. Lia, o bom da Roda da Vida é que a gente também ganha com algumas perdas. Eu ganhei muito ao ter vivido um grande luto. E uma das maiores coisas dessa vida foi ter você na minha vida. Você faz parte da balança da alegria e das coisas que eu ganhei e não preciso me despedir em vida!
      😉

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s